/
/
Prémios MYCA: EPATV com dois amores vencedores!

Prémios MYCA: EPATV com dois amores vencedores!

Foi um dia memorável para a Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV): em sete prémios setoriais do Minho Young Chef Awards (MYCA), quatro foram conquistados por dois alunos seus, no dia 17 de dezembro, no Mercado de Braga.

Andreia Costa conquistou o prémio mais cobiçado, na categoria de Sala/Bar. André Sobral arrebatou o Prémio Território, na modalidade Cozinha e não venceu o de Chef… por uma unha negra.

Acompanhada pela prof. Olga Martins, Andreia Costa, de Parada de Gatim, Vila Verde, arrebatou três prémios, entre eles o de Chefe de Sala/bar MYCA 2020, aos quais juntou os prémios de melhor combinação com petisco (Prémio Letra) e melhor combinação com prato inovação (Prémio Soalheiro).

Andreia Costa recebeu um troféu desenhado por Bárbara Castro, aluna do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, numa sessão presidida por Ricardo Rio, edil bracarense.

Quanto à Andreia, durante o dia prestou provas perante um júri composto por um representante dos cafés Christina, Cerveja Letra, Vinhos Soalheiro, Novumdux e pelo Sommelier do Restaurante A Cozinha, do Chef António Loureiro, de Guimarães, um estrela Michelin.

Entre as provas desempenhadas pela Andreia Costa, destacam-se uma Mise-en-place de mesa para 2 pessoas, a preparação de um cocktail à base de café, onde a aluna além do café utilizou produtos da região. Mais, preparou um cocktail à base de vinho verde Soalheiro, com uma criação brilhante que denominou “Jardim de Amores” e justificou, perante o júri, a harmonização de Espumante Soalheiro com o prato tradicional e o prato inovação do André Sobral (EPATV). além de uma prova de cafetaria.

A Andreia Costa do 3.º ano do Curso Técnico de Restaurante/Bar, gosta de ouvir música, navegar nas redes sociais e praticar ginástica acrobática. A Prof. Olga Martins “não podia estar mais satisfeita” com os resultados conquistados em Braga.

Outro vencedor desta edição do MYCA foi o André Sobral do 3,º ano do curso Técnico de Cozinha/Pastelaria. Este jovem da freguesia da Sé, Braga, gosta de tocar guitarra, jogar padel, ver programas e documentários de cozinha, explorar e de experimentar a gastronomia asiática mas foi a sua sopa seca minhota — que caiu em desuso, à base de carnes e fumeiro — que o fez ombrear com Pedro Cruz e arrebatar o prémio — criado este ano — para dignificar os jovens cozinheiros que recuperam receitas com identidade territorial e estão a cair no esquecimento.

Perante o Júri, constituído por vários Chef’s, entre eles António Loureiro, com estrela Michelin, e o vencedor do MYCA 2019, Rui Meira, André Sobral escolheu um “prato que não era muito conhecido. Pesquisei e experimentei com o Chefe Rodolofo Melendrez”. “Nenhum prato traduz melhor o Minho que este” — concordou um dos jurados. O Júri lembrou ao André que “era um risco enorme mas teve inovação fantástica e uma apresentação bem conseguida”. “Foste audaz e o prato está bem apresentado. É super tradicional. Elegante e visualmente interessante” — disse outro jurado, justificando o prémio Território.

André Sobral, acompanhado pelo prof. Rodolfo Melendrez Rodriguez, que se bateu estoicamente com Pedro Cruz, da ETAP de Âncora, pelo Prémio MYCA de Cozinha, arrebata o Prémio Território por trazer a concurso um prato que valoriza a cozinha tradicional com inovação, com o nome “Era uma vez… uma sopa seca à moda do Minho”.

A iniciativa do Minho Young Chef Awards é uma competição promovida pelo Consórcio Minho Inovação – que integra as três Comunidades Intermunicipais do Alto Minho, Cávado e Ave, pelo Instituto Internacional da Gastronomia, Cultura, Artes e Turismo (IGCAT), e pela Plataforma das Regiões Gastronómicas.

O apoio logístico a esta iniciativa foi da responsabilidade de alunos da EPATV dos cursos de restauração Cozinha e Bar, dando o seu contributo neste MYCA que pretende fortalecer a identidade do Minho através de jovens chefs profissionais, promovendo a inovação gastronómica, utilizando a cozinha tradicional e produtos locais.

A Cátia Gonçalves, aluna  da Escola de Hotelaria e Turismo de Viana do Castelo e natural de Ponte da Barca, tem 26 anos, e venceu o prémio se serviço de cafetaria.

O MYCA de 2020,  Pedro Cruz, tem 19 anos e frequenta 12.º no Curso Técnico de Cozinha/Pastelaria, mas a cozinha não é a sua única paixão. O Pedro gosta de música, tocar clarinete, ler e jogar futebol. Considera-se trabalhador, empenhado e focado nos seus objetivos

Últimas Atualizações