/
/
ALUNOS DA EPATV em estágios internacionais ao abrigo do Programa PROALV – Leonardo da Vinci – Pelo mundo fora…”Yes, we want …Euroskills”

ALUNOS DA EPATV em estágios internacionais ao abrigo do Programa PROALV – Leonardo da Vinci – Pelo mundo fora…”Yes, we want …Euroskills”

Entre 7 de Abril e 10 de Maio o grupo de alunos, previamente seleccionados das áreas de Restauração Cozinha e Bar, Electrotecnia, Multimédia, Design Gráfico e TIC´s , estiveram integrados em práticas em contexto real de trabalho, em vários países.

Os 5 alunos da área de Electrotecnia foram para Sevilha- Espanha, acompanhados pelo professor José Pontes, os de Restauração Cozinha/Pastelaria para Valência- Espanha, acompanhados pela professora Glória Sousa, os de Multimédia para Brasov – Roménia com a Professora Sara Pimenta e para Malta foram os alunos de Restauração/Bar monitorizados pela professora Olga Martins.

Durante quatro semanas cada um destes grupos estiveram a enriquecer as suas competências técnicas e profissionais, através de conhecimentos de outras culturas e formas de “fazer”, melhorando também as suas competências pessoais, linguísticas e culturais.

Este tipo de experiência europeia, foi integralmente financiada pelo programa de Mobilidade Leonardo da Vinci a que a EPATV submeteu um projeto e que contemplou 24 alunos, que foram selecionados de acordo com rigorosos critérios avaliados pela Direção Pedagógica, diretores de curso e de turma e professores das áreas curriculares escolhidas.

Todos os alunos manifestaram grande entusiasmo e reconhecimento da grande valia resultante deste estágio, quer a nível profissional, quer a nível pessoal. Hoje, a noção de mercado de trabalho revelou-se muito mais abrangente e o “medo” de não dominar a língua e culturas diferentes, desapareceu e transformou-se num fator apetecível para a maioria do grupo.

Os participantes realizaram um relatório de acompanhamento, assim como as entidades recetoras em cada país e foi um orgulho as avaliações de todos, assim como os elogios ao grupo e á formação técnica e pessoal de cada um dos estagiários.

Alguns alunos remeteram a sua opinião, que abaixo reproduzimos, assim como algumas fotos de “…uma aventura profissional na Europa…”.

Para mais fotos consultar a galeria de fotos.

1 – Estágio Internacional em Brasov – Roménia

Marina Rodrigues Curso de Design Gráfico – 2º ano

Local de Estágio – Brasov – Roménia

1 – Quais as motivações que a levaram a candidatar-se ao programa de mobilidade Leonardo da Vinci?

R – As principais motivações foram a curiosidade de viver nova experiência num país diferente e sobretudo aprender novas formas de trabalhar e técnicas na minha área profissional. Claro que também me atraiu o facto de conhecer outras culturas e viver em grupo com novas amizades.

2 – Gostou do país onde estagiou ou preferia ter ido para outro? Se sim, qual e porquê?

R – Sim gostei muito da Roménia, pois apesar de ser o local de estágio mais longe, Brasov é uma cidade muito bonita e com formas de viver e alimentação muito diferentes da portuguesa.

3 – Acha que este estágio internacional contribuiu para o aumento das suas qualificações profissionais e que futuramente lhe traz alguma mais-valia na procura de emprego?

R – Acho que sim, pois com esta experiência sinto que estou mais capaz de enfrentar outras oportunidades de trabalho que não sejam só á beira de casa. No fundo, aquele medo que temos de não dominar a língua ou de lidar com pessoas desconhecidas, creio que desapareceu. Além de que conhecer outras pessoas é realmente muito bom e termos que decidir por nós próprios faz-nos crescer pessoalmente.

4 – E a nível pessoal, que experiências (positivas e negativas) gostaria de partilhar?

R – Conhecer a cidade e os locais que visitamos foi muitobom e conviver com este grupo também. De negativo não houve nada de especial; o mais complicado foi um episódio em que tínhamos o endereço da nossa morada e o taxista não falava inglês, só romeno e não nos conseguiu levar a casa…mas foi engraçado!

5 – Voltaria a repetir a experiência? Que sugestões daria para melhorar todo este processo de mobilidade internacional (desde o recrutamento até ao final do estágio)?

R – Sem dúvida, que sim. Contudo, se tivéssemos as informações com mais tempo seria melhor…mas tudo é superado pela experiência maravilhosa que a nossa escola nos proporcionou.

2 – Estágio Internacional em Valência – Espanha

Renato Fernandes Renato Fernandes Curso de Técnico de Restauração Cozinha/Pastelaria – 3º ano

Local de Estágio – Valência – Espanha – Restaurante La Sucursal ( 1 estrela Michelin)

1 – Quais as motivações que o levaram a candidatar-se ao programa de mobilidade Leonardo da Vinci?

R – As principais motivações ao candidatar-me a este programa, foram sobretudo o gosto pela aventura, porque eu sou uma pessoa que gosta de arriscar e o desconhecido não me assusta, e também porque achei que era uma óptima oportunidade para o futuro do meu curso, conhecer novas formas e técnicas de trabalho. Além disso, esta experiência pode abrir portas no exterior (o que efetivamente aconteceu, com a proposta que recebi do responsável do local onde estagiei), pois face ao mercado de emprego do nosso país, uma das soluções é procurar emprego em toda a Europa.

2 – Gostou do país onde estagiou ou preferia ter ido para outro? Se sim, qual e porquê?

R – Gostei muito do pais e da cidade onde fiquei. Valência é uma cidade cheia de vida com muita cultura e muita diversão. Aproveitei ao máximo o tempo que estive lá, tanto nas minhas horas de trabalho como nas minhas horas livres. Posso mesmo dizer que foi uma experiencia magnifica.

3 – Acha que este estágio internacional contribuiu para o aumento das suas qualificações profissionais e que futuramente lhe traz alguma mais-valia na procura de emprego?

R – Sim, sem dúvida. No restaurante onde estagiei usei muitos produtos Ferran Adrian e tive a oportunidade de trabalhar com um dos discipulos dele, o que facilitou a aquisição de novos conhecimentos e me forneceu maiores e melhores competências profissionais.

4 – E a nível pessoal, que experiências (positivas e negativas) gostaria de partilhar?

R – Eu penso que as experiencias são sempre positivas porque aquelas que nós achamos que sao negativas, no futuro vão ser positivas porque já passamos por elas e conseguimos lidar melhor com as adversidades ( no programa eco-escolas, na parte do empreendedorismo aprendi que a esta competência se chama resiliência). Tive também oportunidade de lidar com colegas mexicano que foi um povo magnifico e passei momentos muito bons com eles (ainda são mais divertidos do que os espanhóis, mas claro, nao havia mais divertido do que eu…). Gerir a nossa independência é a maior experiência que adquirimos num programa destes, pois é preciso ter um espírito aberto, de colaboração e adaptação porque tivemos que nos adaptar a uma cultura a linguagem novas, saber respeitar o espaço do resto dos colegas que também participaram neste programa e é preciso saber viver em grupo.

5 – Voltaria a repetir a experiência? Que sugestões daria para melhorar todo este processo de mobilidade internacional (desde o recrutamento até ao final do estágio)?

R – Claro que voltaria a repetir. Foi uma experiência muito boa, tanto a nivel pessoal como profissional. O processo foi todo muito bem organizado e os locais de estágios foram selecionados com muito cuidado de forma a nos proporcionar a aprendizagem com os mesmo bons em cada área de estágio.

Uma das melhorias que eu sugeria seria aumentar o tempo de estágio. A maioria dos outros estagiários no local em que eu estagiei, estavam lá 3 meses e claro que 3 meses é um bom tempo para consolidar a aprendizagem. Mesmo assim, um mês já foi muito bom… 

Últimas Atualizações